5 passos para ensinar o valor do dinheiro para as crianças

5 passos para ensinar o valor do dinheiro para as crianças

5 passos para ensinar o valor do dinheiro para as crianças

Por Thais Berlinck

Quem nunca viu os olhinhos brilhantes e o sorriso de encantamento de uma criança ao se deparar com um brinquedo novo na prateleira da loja?

Os pequenos são facilmente seduzidos pelas novidades e pela variedade de opções existentes nos Estados Unidos. No entanto, por não conhecerem o valor do dinheiro, ficam inconformados ao escutar que os pais não podem – ou não querem – comprar o tão desejado brinquedo.

E a carinha de anjo dá logo espaço para uma fisionomia fechada e birrenta. É confusão na certa. Mas não se desespere. Essa cena não precisa de repetir toda vez que vocês forem juntos a uma loja. A especialista financeira Soraia Close ensina alguns hábitos simples que vão mostrar aos pequenos que tudo tem um preço e que é necessário paciência e dedicação para conquistar o que se deseja:

 

  • Dê o exemplo – Evite o desperdício e mostre isso às crianças. Como? Com algumas atitudes simples, como tomar banhos rápidos, apagar a luz ao sair de cada ambiente e só colocar no prato a quantidade de alimentos que realmente for comer. Ensine que tudo custa, inclusive água, energia e comida. E que desperdiçar equivale a rasgar dinheiro.

 

  • Mostre o valor do dinheiro – Leve seus filhos ao supermercado ou ao shopping e evidencie quanto custa cada um dos produtos que se interessarem. Eles verão que um celular é mais caro que um brinquedo e que um brinquedo custa mais que um chocolate, por exemplo.

 

  • Ensine a fazer escolhas – Deixe claro que nem sempre é possível ter tudo o que se quer. E que todos nós precisamos estabelecer prioridades. Quando a criança pedir algo por impulso numa loja, ao invés de dizer “não podemos pagar” simplesmente “é muito caro”, responda com algo como “Que tal reservarmos esse dinheiro para uma coisa ainda melhor? ”. Ensine que o “não” de hoje é o “sim” de amanhã para algo que eles concordem que tenha maior valor. Por exemplo: “Não vamos jantar fora hoje porque estamos economizando para comprar os passes anuais da Disney.”

 

  • Dê mesada apenas se a criança assumir algumas responsabilidades em casa – Pode ser arrumar a cama, colocar a louça na máquina ou levar o lixo para fora. Os maiores podem também ajudar na faxina ou até cozinhar. Não precisa dar muitas atribuições. O importante é incutir a ideia de trabalho em equipe. “Todos nós moramos na mesma casa, portanto nada mais justo que todos ajudem a mantê-la em ordem.” Pode parecer jargão, mas é importante que seu filho entenda que nada na vida vem de graça. Tudo é fruto de esforço e trabalho. Sendo assim, combine que ele receberá uma quantia pré-determinada uma vez por mês ou por semana. Deixe claro quais são as regras e, caso a criança não cumpra com o combinado, suspenda a mesada ou desconte um valor proporcional às atividades não realizadas. Não é fácil ser firme nesse momento, mas essa é a maneira mais eficaz de ensiná-la a ir à luta.

 

  • Ajude no planejamento – Quanto antes a criança aprender a administrar o próprio dinheiro e decidir o que fazer com ele, melhor. Uma maneira lúdica e divertida de ensinar é através do porquinho-cofre com quatro subdivisões. Todas as moedas colocadas no primeiro compartimento, chamado de “save”, seriam pré-destinadas à compra de um brinquedo, celular ou a qualquer outra coisa que ela queira muito. O dinheirinho colocado em “spend” seria para compras a curto prazo, como balas ou chocolate. O que estiver guardado em “donate” pode ser encaminhado para doações para clubes da escola, igreja, para uma pessoa doente, etc. As economias acumuladas em “invest” teriam como destino final a compra de matéria-prima para fazer uma limonada, por exemplo, e por meio do trabalho a criança aprenderia a fazer o dinheiro crescer. Pode parecer complexo no início, mas com conversa e orientação logo os pequenos passam a entender o quanto é importante poupar e cuidar das finanças. Juntos, pais e filhos podem estabelecer prioridades, decidir quantas moedas colocar em cada compartimento e expor o porquê dessa escolha.  Com o tempo, a criança vai entender que poupar compensa, apesar de exigir esforço e demorar. E, quando você perceber, ela já estará analisando se é mais negócio efetuar a compra ou guardar o dinheiro para no futuro adquirir algo ainda mais especial.

 

5 passos para ensinar o valor do dinheiro para as crianças

 

Educação financeira é um processo longo, mas que precisa ser trilhado com consciência. Quanto mais você conversar com seu filho, mais responsável ele será quando se tornar adulto.

 

 

8 hábitos ruins que destroem as suas finanças

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *